Madureira, um lugar chamado carnaval.

Madureira - Rio de Janeiro

Madureira é um bairro da Zona Norte do município do Rio de Janeiro, no Brasil. É um bairro muito popular da cidade, sendo conhecido como "Capital do Subúrbio", "Coração da Zona Norte" e "Berço do Samba". É fundamental para a cultura e economia da cidade. É um bairro de localização central e de encontro de algumas linhas de trens da SuperVia e de Bus Rapid Transit (BRT) que operam na cidade. Interliga vários bairros da Zona Norte, Zona Oeste e da Baixada Fluminense. O destaque também fica por conta do tamanho do bairro, de quase quatrocentos hectares, um terço maior do que a média dos bairros da Zona Norte.

É uma referência comercial e cultural para os bairros vizinhos: Cascadura, Campinho, Cavalcanti, Engenheiro Leal, Oswaldo Cruz, Turiaçu e Vaz Lobo. O bairro tem uma grande diversidade de opções de lazer como shoppings, escolas de samba, clubes, bares, bailes e o Parque de Madureira. O bairro é cortado por uma amplitude de linhas de ônibus e possui uma grande variedade de estabelecimentos comerciais, sendo o segundo maior centro comercial e o quinto maior centro financeiro da cidade, e o maior do subúrbio comercialmente e financeiramente.

O bairro é famoso por sediar duas grandes escolas de samba, Império Serrano e a Portela, além de ter o maior mercado popular do Brasil (o Mercadão de Madureira) e o terceiro maior parque da cidade (Parque Madureira, que possui uma área de 103,5 mil metros quadrados). Possui nove tradicionais paróquias católicas. Possui, ainda, uma rádio exclusiva para toda a região, a emissora Bicuda (FM 98,7), com programação durante as 24 horas do dia. Seu índice de desenvolvimento humano em 2000 era de 0,831, o 67º melhor do município dentre 126 bairros avaliados, sendo considerado regular.

O bairro se destaca: por conta de uma amplitude de linhas de ônibus e ramais de trem que levam a diversos bairros do Rio de Janeiro; por sua enorme variedade de estabelecimentos comerciais; e também por sua população, o bairro é composto por pessoas de diversas etnias, a presença e cultura negra é bem marcante na região, há também muitos imigrantes e descendentes, como portugueses, italianos, japoneses, chineses, bolivianos, sírios e coreanos, por migrantes vindos principalmente da Região Nordeste do Brasil, além de trabalhadores que vêm de outros bairros, que engrossam a força de trabalho e contribuem para uma parte do produto interno bruto do município.

No início do século XIX, o Rio de Janeiro, recém-alçado à condição de sede do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarve, era fracamente povoado em seu interior, o chamado "sertão carioca". Esta região era composta por grandes propriedades rurais.

Uma dessas fazendas era a do Campinho, situada na Freguesia do Irajá. Era, proprietário da fazenda, o capitão Francisco Ignácio do Canto, e arrendatário um boiadeiro de nome Lourenço Madureira. Com a morte do capitão, iniciou-se uma disputa judicial entre o arrendatário e a viúva do proprietário, Rosa Maria dos Santos, a qual saiu perdedora. Lourenço Madureira deteve a propriedade do imóvel até falecer, em 16 de fevereiro de 1851. Após a morte do boiadeiro, com o loteamento da fazenda, surgiu a semente do que viria a se tornar o bairro de Madureira.

 
Avenida Ministro Edgar Romero, próximo à Estação de Madureira.

Até essa época, o acesso àquelas paragens era feito a cavalo. Somente em 1858 é que os trilhos da Central do Brasil chegaram à região, com a construção da Estação Cascadura, no que atualmente é o bairro vizinho de Cascadura. Em 1890, foi inaugurada, no bairro, a Estação Madureira, que recebeu essa denominação em homenagem ao boiadeiro e proprietário. A denominação ajudou a consolidar o nome de Madureira ao nascente bairro. Em 1897, foi inaugurada a Estação Dona Clara, que daria origem à localidade Dona Clara, considerada, posteriormente, juntamente com a Serrinha, Oswaldo Cruz e Magno, uma das principais adjacências de Madureira. Finalmente, em 1908, foi inaugurada a Estação Inharajá, rebatizada para Estação Magno em 1928.

 
Rua Carolina Machado, na esquina com a Avenida Ministro Edgar Romero.

No ano de 1914, surgiu o primeiro clube de futebol da região: o Fidalgo Futebol Clube, que, mais tarde, daria origem ao Madureira Esporte Clube. Nesse mesmo ano, foi inaugurado o mercado de Madureira, embrião do atual Mercadão de Madureira.

Em 1916, os bondes a tração animal começaram a ser substituídos por bondes elétricos, processo que somente foi concluído em 1937, com a desativação da Estação Dona Clara. Com esse fato, Dona Clara foi absorvido por Madureira, desaparecendo como referência geográfica, processo semelhante ao que se repetiu posteriormente com Magno.

Na década de 1960, foi construído o Viaduto Negrão de Lima, à época o maior do município. Na década de 1990, embaixo do viaduto, teve início um dos principais movimentos culturais do bairro e da cultura negra da cidade: o Baile Charme de Madureira, considerado atualmente o maior do país.

Em 2012, foi inaugurado o Parque Madureira.

Conheça Bairros pelo Brasil

BARRA DA TIJUCA

CENTRO

SíTIO CERCADO

VILA NOVA

FAZENDA

BELA VISTA

MIRIM

TRINDADE

PRAIA DA COSTA

Sobre

O é um portal de imóveis com abrangência em toda região de . Uma ferramenta simples e fácil de usar. é a solução ideal para encontrar aquele imóvel que você tanto procura.